Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
EMPREGABILIDADE

Comitê de Estudos Avançados sobre o Futuro do Trabalho intensifica debates

 

Ministério do Trabalho realizou a quarta reunião do grupo em Brasília e a terceira audiência pública regional, em Recife 

  • Publicado: Sexta, 16 de Novembro de 2018, 19h34
  • Última atualização em Sexta, 16 de Novembro de 2018, 19h34
  • Acessos: 307

O Ministério do Trabalho intensificou os trabalhos no âmbito do Comitê de Estudos Avançados sobre o Futuro do Trabalho durante toda esta semana. Com a missão de discutir e propor formas de proteção ao emprego diante do avanço da automação, o grupo reúne representantes do governo, do Judiciário, do meio acadêmico, de entidades de classe e sindicais (de empregados e empregadores). 

A quarta reunião do Comitê de Estudos Avançados sobre o Futuro do Trabalho foi realizada na terça-feira (13), em Brasília. O encontro teve como foco a reconversão setorial e ocupacional, a proteção ao desemprego tecnológico e as novas regulamentações. Durante a reunião, o Observatório do Trabalho apresentou um panorama do mercado de trabalho no Brasil. 

O evento também ambientou a apresentação do papel da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica do Ministério da Educação na preparação das pessoas para o mercado de trabalho. O relato foi feito pelo representante do MEC, Marco Antônio Juliatto. Membros do Comitê e convidados exibiram propostas de ações frente aos desafios do futuro do trabalho. 

Audiência pública – Já na quarta-feira (14) foi realizada mais uma audiência pública regional do Comitê, dessa vez em Recife. O tema foi a Economia Compartilhada. O encontro contou com a presença do ministro do Trabalho, Caio Vieira de Mello, e teve a participação de representantes de instituições do segmento da indústria, sindicatos, universidades, representantes do judiciário e ministério público estadual. 

“A audiência discutiu amplamente as plataformas digitais envolvendo o setor de Transporte. A empresa Uber, as cooperativas de motoristas e as organizações autônomas em que o próprio trabalhador organiza o seu trabalho tiveram destaque nos debates”, informa o coordenador do Comitê, Mário Magalhães. 

As novas tecnologias e as novas formas de vínculos empregatícios também estiveram na pauta do encontro. A tendência de redução das formas de contratação tradicionais foi um dos aspectos tratados. “Hoje, os jovens pensam mais em ser empreendedores ou prestadores de serviço autônomos do que assinar um contrato de trabalho fixo”, ressalta Mário Magalhães. “Tivemos ainda amplos debates sobre a proteção social no futuro do trabalho e as ações que precisam ser implementadas para preparar a população para esse novo universo”, acrescenta.   

As audiências públicas regionais já abordaram os impactos da inteligência artificial no futuro do trabalho, em Florianópolis, e os desafios da indústria 4.0 e a formação profissional do trabalhador do futuro, em São Paulo. A síntese das discussões, bem como as propostas suscitadas referentes aos temas abordados, serão consolidados em um documento que será utilizado de base para definir as proposições finais do grupo. 

Além das audiências e das reuniões do Comitê, outro canal de contribuições disponibilizado pelo Ministério do Trabalho à sociedade brasileira é consulta pública (futurodotrabalho@mte.gov.br). Foram selecionados três assuntos para receber sugestões: presença das novas tecnologias nas atividades econômicas, impacto dessas tecnologias no mercado de trabalho e políticas públicas que promovam a inclusão de trabalhadores no processo de transformação. 

 

Ministério do Trabalho
Assessoria de imprensa
Indiara Oliveira
imprensa@mte.gov.br 
(61) 2021-5449

registrado em:
Fim do conteúdo da página