Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Conselho Nacional do Trabalho > Últimas notícias > Fiscalização encontra 17 trabalhadores em situação irregular em Rondônia
Início do conteúdo da página

Vídeos

        

Notícias CNT

Programa Verde Amarelo deve quebrar “ciclo vicioso” e aumentar empregabilidade dos jovens

Em audiência pública na Câmara, secretário Rogério Marinho apresentou detalhes da proposta enviada ao Congresso Nacional

Governo atualiza norma sobre programa de prevenção de riscos

Entre as mudanças está a inclusão de critérios para prevenção dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes das exposições ocupacionais ao calor

Nova Previdência terá impacto de R$ 4,1 trilhões em 20 anos

Projeção considera alterações já aprovadas pelo Congresso Nacional; em 10 anos, economia será de R$ 1,3 trilhão

Ação ocorreu em seis propriedades rurais nos municípios de Cacoal, Espigão D’Oeste, Presidente Médici e Pimenta Bueno

Operação de fiscalização na região sul de Rondônia flagrou 17 trabalhadores em condição de trabalho irregular. A ação ocorreu em seis propriedades rurais nos municípios de Cacoal, Espigão D’Oeste, Presidente Médici e Pimenta Bueno, entre 31 de julho e 2 de agosto. A Auditoria Fiscal do Trabalho lavrou 46 autos de infração. Dois termos de ajuste de conduta referentes aos 17 trabalhadores foram assinados.

Os trabalhadores não tinham registro em carteira nem acesso a direitos trabalhistas. Os empregadores foram autuados por manter os trabalhadores informais e notificados a realizar o registro retroativo por meio de envio das informações de admissão ao Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia. Os empregadores deverão registrar os empregados no prazo de 15 dias.

Também havia problemas nos alojamentos, onde faltavam janelas para ventilação e as instalações elétricas eram precárias. Foram encontradas, ainda, irregularidades no armazenamento de agrotóxicos usados nas lavouras. Em razão das condições de grave e iminente risco de acidentes, os alojamentos foram interditados.

Conduzida pelo Grupo Especial de Fiscalização Móvel (GEFM), coordenado pela Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, a operação contou com apoio da Defensoria Pública da União, da Polícia Rodoviária Federal e do Ministério Público do Trabalho.

registrado em:
Fim do conteúdo da página