Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Conselho Nacional do Trabalho > Últimas notícias > No Senado, Marinho destaca: Nova Previdência beneficia os mais pobres
Início do conteúdo da página

Vídeos

        

Notícias CNT

Países do Brics discutem emprego e trabalho em Brasília

Como parte da presidência pro tempore brasileira, país organiza reunião de trabalho sobre emprego e encontro de ministros

Secretaria de Trabalho, em conjunto com a Subsecretaria de Inspeção do Trabalho e a Fundacentro, realiza audiência pública sobre a NR 7

  Norma Regulamentadora tem como diretrizes detectar precocemente exposições excessivas e agravos à saúde e subsidiar procedimentos epidemiológicos 

Inspeção do Trabalho resgata nove trabalhadores no MS

Indígenas trabalhavam em uma propriedade rural e habitavam um alojamento precário, construído com galhos de árvores

Secretário especial participou da primeira audiência pública na CCJ para discutir a PEC 6/2019

Elaborada para tornar o sistema previdenciário do Brasil mais equilibrado, a Proposta de Emenda à Constituição 6/2019, da Nova Previdência, interessa especialmente aos mais pobres, afirmou nesta terça-feira (20) o secretário Especial da Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho. Ele participou da primeira audiência pública na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado Federal.

Ao apresentar aos presentes na audiência dados que reforçam a necessidade de modificar a Previdência Social, Marinho qualificou o sistema brasileiro como injusto: muitos ganham pouco, e poucos ganham muito. Hoje, a população rica se aposenta em condições melhores do que os trabalhadores mais frágeis economicamente.

“A reestruturação da Previdência Social é de interesse dos mais pobres porque quem ganha menos vai pagar menos e quem ganha mais vai pagar mais. A proporcionalidade é um dos princípios da Nova Previdência. Porém, todos vão contribuir para garantir a sustentabilidade do sistema no futuro”, reiterou o secretário.

População e déficit

Outros dois fatores comprovam a necessidade de mudança. Nas últimas décadas, a expectativa de vida e as taxas de sobrevida aumentaram. Nos anos de 1980, havia 14 jovens para cada idoso e, em 2020, esta proporção será de sete para um. “Em alguns estados, a realidade já é um trabalhador ativo para 1.1 aposentados”, afirmou.

Com a Nova Previdência, o impacto previsto na economia é de R$ 933,5 bilhões em 10 anos. Ela ajudará a reduzir o déficit do sistema, que em 2018 ficou em R$ 265 bilhões. “A mudança proposta é um debate que faço com convicção, com muita consciência, olhando nos olhos das pessoas em todo lugar aonde vou porque tenho certeza de que este é um esforço para melhorar o país”, afirmou.

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página