Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Conselho Nacional do Trabalho > Últimas notícias > Inspeção do Trabalho resgata 4 adolescentes vítimas de exploração sexual
Início do conteúdo da página

Vídeos

        

Notícias CNT

Queda nas admissões influencia saldo de empregos formais do Caged até abril de 2020

Nos primeiros quatro meses do ano, houve 4.999.981 admissões e 5.763.213 demissões no país; BEm contribuiu para preservação de postos de trabalho

Aviso de pauta - Caged de 2020

Divulgação dos dados do novo Caged será nesta quarta-feira

Ferramenta de autoavaliação trabalhista recebe primeira atualização por setores

Autodiagnóstico auxilia na adequação às normas trabalhistas e na promoção de ambiente de trabalho mais saudável e seguro

Mantidos em uma casa de prostituição em Campinas, eles estavam em situação de servidão por dívida, sob vigilância ostensiva

 A Inspeção do Trabalho da Gerência Regional do Trabalho de Campinas (SP) resgatou nesta quinta-feira (3) quatro adolescentes submetidos a condições análogas às de escravo para exploração sexual. Os adolescentes (três do sexo feminino e um do masculino) eram mantidos em uma casa de prostituição em Campinas. Umas das adolescentes foi vítima de tráfico de pessoas para esse fim. Ela foi aliciada em Manaus com a promessa de turismo em São Paulo.

Os quatro adolescentes estavam em situação de servidão por dívida e também sob vigilância ostensiva para que não deixassem o local. A responsável pelo local foi presa em flagrante. Foram apreendidos documentos de identidade falsos das vítimas. A denúncia foi apurada pelo Núcleo de Inteligência da Polícia Federal em Campinas. Também participaram da operação o Ministério Público e a Secretaria de Justiça de São Paulo, que providenciou o acolhimento e abrigo dos adolescentes resgatados.

Neste ano, a Inspeção do Trabalho, em atuação conjunta com a Polícia Federal na Operação Cinderela, deflagrada em março, já havia resgatado 17 vítimas de redução à condição análoga à escravidão e de tráfico de pessoas. A operação ocorreu em Ribeirão Preto (SP) e resultou em interrupção da situação de exploração, reconhecimento de direitos trabalhistas, imposição de multa aos responsáveis e outras medidas necessárias à proteção e acolhimento das vítimas e repressão dos infratores. Participaram 21 auditores-fiscais do trabalho de todo o Brasil, capacitados em casos de exploração sexual em  2018 em curso realizado pela Escola Nacional da Inspeção do Trabalho (Enit). A intervenção dos auditores-fiscais do Trabalho dá condições que as vítimas possam perceber recursos do Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT) por meio do seguro-desemprego do trabalhador resgatado e participar de cursos de capacitação e de reinserção profissional.

registrado em:
Fim do conteúdo da página