Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Brasil fechou 2016 com 46,1 milhões de empregos formais
Banner Ministério da Economia
Início do conteúdo da página
ESTATÍSTICA

Brasil fechou 2016 com 46,1 milhões de empregos formais

Informação está na Relação Anual de Informações Sociais (Rais), divulgada nesta quinta-feira (19)

  • Publicado: Sexta, 20 de Outubro de 2017, 09h12
  • Última atualização em Sexta, 20 de Outubro de 2017, 09h12
  • Acessos: 1280

O Brasil fechou o ano de 2016 com 8,2 milhões de empresas e 46,1 milhões de empregos formais. Os dados constam da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), base de dados mais completa sobre empregadores e trabalhadores formais no Brasil, divulgada pelo Ministério do Trabalho nesta quinta-feira (19).

A Rais é um dos documentos mais importantes para as estatísticas brasileiras, porque traz informações sobre todos os empreendimentos formais do país, desde aqueles sem nenhum funcionário até empresas com milhares de empregados. A partir dele é obtido o perfil das empresas e dos trabalhadores brasileiros, que serve para a elaboração de políticas públicas de emprego do governo e para o pagamento de benefícios.

Os principais resultados de 2016 foram os seguintes:

Setor – os setores econômicos de maior peso na estrutura do emprego foram os Serviços (36,3%), o Comércio (20,1%) e a Administração pública (19,2%). Somadas, essas três áreas foram responsáveis pelo emprego de 34,8 milhões de brasileiros, o equivalente a 75,6% de todos os trabalhadores formais empregados.

Região – os estados com o maior estoque de empregos estão localizados na região Sudeste: São Paulo (13,2 milhões de vínculos), Minas Gerais (4,6 milhões) e Rio de Janeiro (4,2 milhões). Juntos, eles responderam por 47,7% de todos os empregos formais do país. Os estados com os menores estoques foram Roraima (94,6 mil) Amapá (125,6 mil) e Acre (128,1 mil), todas no Norte do país.

Gênero – os homens também foram maioria no mercado de trabalho. Eles somaram 25,79 milhões (56%), enquanto as mulheres foram 20,26 milhões (44%).

Idade – em 2016, a faixa etária que vai dos 30 aos 39 anos foi a mais presente no mercado formal. Do total das vagas ocupadas no ano passado, 30,9% eram de trabalhadores com essas idades. Em segundo lugar, estavam os trabalhadores na faixa de 40 a 49 anos (22,2%) e, em terceiro, os de 50 a 64 anos (16,5%). Os menores estoques estavam entre os trabalhadores com menos de 17 anos (0,7%) e com mais de 65 (1,3%).

Escolaridade – mais da metade das vagas ocupadas no mercado formal em 2016 foi de trabalhadores com ensino médio (completo ou incompleto). Eles representaram 54,2% de todos os vínculos, seguidos pelos trabalhadores com ensino superior (completo ou incompleto), que ocuparam 25,3% dos postos. Juntas, essas duas classificações somaram 79,5% do estoque no ano.

Raça/etnia – os empregados que se declararam brancos eram maioria no mercado formal, com 19,5 milhões de postos, o que correspondia a 42,3% do total. Em segundo lugar, ficaram os trabalhadores autoidentificados como pardos (12,3 milhões, correspondente a 26,6%). Eram minoria no mercado formal indígenas (75,4 mil, 0,2%), amarelos (274,4 mil, 0,6%) e pretos (1,9 milhão, 4,2%). Cerca de 12,1 milhões de trabalhadores não estavam identificados por raça/etnia, o que corresponde a 26,2% do total.

Pessoa com deficiência – o estoque de empregos formais das pessoas com deficiência chegou a 418,5 mil em 2016. Se considerados os tipos de deficiência, foram maioria os trabalhadores com deficiência física (48,9% do estoque de PCD), seguidos de auditiva (19,2%), visual (12,8%), reabilitados (9,2%), intelectual (8,2%) e múltipla (1,7%).

Tamanho do estabelecimento – os estabelecimentos com mil ou mais empregados responderam por 25,5% do estoque de empregos formais no Brasil. Em seguida, ficaram as empresas que tinham entre 20 e 49 funcionários (12%) e as de 100 a 249 trabalhadores (10,2%). Empreendimentos com 10 a 19 empregados representavam 9,9% de todo o estoque.

Remuneração – a remuneração média do brasileiro em 2016 ficou em R$ 2.852,62. As maiores remunerações estavam concentradas no Centro-Oeste, seguido do Sudeste e Sul. As mais baixas foram no Nordeste e no Norte. O que puxou para cima os ganhos no Centro-Oeste foi o Distrito Federal, onde a média ficou em R$ 5.220,99, a maior do Brasil. No Sudeste, destacaram-se o Rio de Janeiro (R$ 3.283,89) e São Paulo (R$ 3.160,48).

As maiores remunerações médias foram registradas nos setores Extrativo Mineral (R$ 6,3 mil), Serviços Industriais de Utilidade Pública (R$ 4,9 mil) e Administração Pública (R$ 4,1 mil). As piores foram na Agropecuária (R$ 1,7 mil) , Comércio (R$ 1,9mil) e Construção Civil (R$ 2,3 mil).

Os homens ganharam mais do que as mulheres. A média masculina em 2016 foi de R$ 3.063,33 e a feminina, R$ 2.585,44. Quem tinha ensino superior (completo ou incompleto) também ganhou melhor: em média R$ 5.458,73 contra R$ 1.737,39 de quem tinha até o ensino fundamental incompleto, os menores salários.

Acesse a Rais completa aqui.

Ministério do Trabalho
Assessoria de Imprensa
imprensa@mte.gov.br
(61) 2021-5449

Supervisão Ascom
Jorn. Eliana Camejo
eliana.camejo@mte.gov.br
(61) 99213-1667

registrado em:
Fim do conteúdo da página