Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Número de empregos formais no Rio Grande do Sul alcança 2.902.373 em 2017
Início do conteúdo da página
RAIS

Número de empregos formais no Rio Grande do Sul alcança 2.902.373 em 2017

Setor de Serviços teve mais postos de trabalho, seguido por Indústria de Transformação e Comércio 

  • Publicado: Sexta, 05 de Outubro de 2018, 18h28
  • Última atualização em Sexta, 05 de Outubro de 2018, 18h28
  • Acessos: 221

O Rio Grande do Sul chegou a 2.902.373 vínculos de empregos formais em 2017, aponta a Relação Anual de Informações Sociais (Rais) do Ministério do Trabalho.  Os setores com mais postos de trabalho foram o de Serviços, com 984.160 vínculos; Indústria de Transformação, com 633.345 empregos; e Comércio (616.598). Em comparação com 2016, o estado perdeu 8.510 vagas (decréscimo de 0,29%).


A Rais é a base de dados mais completa sobre empregadores e trabalhadores formais no Brasil. O documento é um dos mais importantes para as estatísticas brasileiras porque traz informações sobre todos os empreendimentos formais do país, desde aqueles sem nenhum funcionário até empresas com milhares de empregados.

A partir dos dados da Rais é obtido o perfil das empresas e dos trabalhadores brasileiros, que serve para a elaboração de políticas públicas de emprego do governo e para o pagamento de benefícios.

 

Desempenho Nacional
O número de empregos formais no Brasil cresceu em 2017 e alcançou 46.281.590 vínculos. Isso representa aumento de 0,5% em relação a 2016 – foram 221.392 postos de trabalho a mais.

A remuneração média do brasileiro teve alta de 2,1% em 2017, chegando a R$ 2.973,23. O salário das mulheres cresceu mais do que dos homens, passando para R$ 2.708,71 (elevação de 2,6%). O salário médio masculino cresceu 1,8%, alcançando média de R$ 3.181,87.

Pessoas com deficiência
O Brasil teve crescimento no estoque de empregos formais para pessoas com deficiência. Foram 22.818 novos postos de trabalho para este grupo, um saldo positivo de 5,5%. Houve aumento para trabalhadores com os cinco tipos de deficiência (física, auditiva, visual, intelectual e múltipla) e também para reabilitados.

A maior alta foi registrada para deficientes visuais, com crescimento de 16,3%, em relação a 2016 (+8.697 novas vagas). Trabalhadores com deficiência intelectual (mental) tiveram 2.493 empregos a mais (+7,3%). Pessoas com deficiência múltipla obtiveram 370 novos postos de emprego formal – alta de 5,1%.

Ministério do Trabalho
Lucas Nanini
Assessoria de imprensa
imprensa@mte.gov.br
(61) 2021-5915

registrado em:
Fim do conteúdo da página