Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Comissão da Câmara debate a aposentadoria das mulheres na Nova Previdência
Banner Ministério da Economia
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Comissão da Câmara debate a aposentadoria das mulheres na Nova Previdência

Presidente da Susep alertou que atual deficit previdenciário prejudica a capacidade do Estado de investir em educação

  • Publicado: Terça, 28 de Maio de 2019, 19h03
  • Última atualização em Quinta, 30 de Maio de 2019, 16h19
  • Acessos: 410

A aposentadoria da mulher foi tema de audiência pública realizada nesta terça-feira (28) pela Comissão Especial da PEC 06/2019, que trata da Nova Previdência, na Câmara dos Deputados. A presidente da Superintendência de Seguros Privados (Susep), Solange Paiva Vieira, participou do encontro e defendeu pontos da proposta. “É um fato que a Previdência Social tem deficit, é inegável que isso está provocando problemas de estrangulamento e investimento do Estado em todos setores da economia, dentre eles, a educação”, destacou Solange Paiva Vieira.

A presidente da Susep também explicou que a discussão não pode estar focada somente nas condições de aposentadoria de mulheres e de homens. “O enfoque que quero dar à questão da Previdência é se queremos ser simplesmente beneficiadas na proposta ou se vamos lutar por direitos iguais no mercado de trabalho. Para mim, as duas coisas são bem diferentes”, ressaltou.

“Precisamos de um Estado forte, de um Estado com recursos financeiros que possam dar creches para os nossos filhos, que possam ter escolas em tempo integral e que possam permitir que a gente vá trabalhar com tranquilidade. Quando o Estado começa a dar sinais que não pode manter essas coisas, entre outros motivos, por uma Previdência que está chegando a um nível de gasto insustentável, é preciso mudar”, destacou a presidente da Susep.

A Nova Previdência estabelece como requisito para a aposentadoria a idade mínima de 62 anos para as mulheres. Também será exigido tempo mínimo de contribuição. Para as trabalhadoras do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) esse tempo será de 20 anos. Para as servidoras públicas, vinculadas a Regimes Próprios, serão 25 anos de contribuição, além de dez anos de tempo de serviço e cinco anos de tempo no cargo.

 

Ministério da Economia
Secretaria Especial de Previdência e Trabalho
Indiara Oliveira
imprensa@mte.gov.br 
(61) 2031 - 5119

registrado em:
Fim do conteúdo da página