Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Operação fiscal retira três pessoas do trabalho em condições análogas às de escravo na Bahia
Banner Ministério da Economia
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Operação fiscal retira três pessoas do trabalho em condições análogas às de escravo na Bahia

Encontrados em uma fazenda no município de Ribeirão do Largo, trabalhadores estavam alojados em situação precária e não possuíam registro em carteira

  • Publicado: Quarta, 07 de Agosto de 2019, 12h46
  • Última atualização em Quarta, 07 de Agosto de 2019, 12h46
  • Acessos: 1586

Operação conduzida por auditores-fiscais do Trabalho da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia em uma fazenda no município de Ribeirão do Largo (BA), nesta segunda-feira (5), levou ao encontro de três pessoas submetidas a condições análogas às de escravo.

O local era de difícil acesso e as moradias, insalubres. Um dos alojamentos tinha vigas escoradas por um pedaço de madeira e ficava ao lado de um chiqueiro, com fezes de animais espalhadas ao redor. Em outro, os trabalhadores dormiam no mesmo local utilizado para a armazenar os alimentos dos animais, em camas improvisadas, pois o empregador não oferecia cama, colchão, travesseiros ou mantas, a despeito do clima frio da região.

Não havia água potável nem local apropriado para a conservação dos alimentos. Os sanitários não tinham condições de uso, tampouco local com resguardo necessário para banho ou para que os trabalhadores pudessem satisfazer suas necessidades fisiológicas. As instalações elétricas eram precárias, com fios que precisavam ser conectados pelos próprios trabalhadores para acender a luz.

Nenhum trabalhador tinha registro em carteira de trabalho. Um deles trabalhava há 14 anos sem férias e 13º salário. O empregador deverá regularizar a situação dos empregados de forma retroativa e oferecer condições adequadas de moradia e trabalho.

A operação contou com a participação de integrantes do Ministério Público do Trabalho, da Defensoria Pública da União, da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social do Estado da Bahia, da Polícia Rodoviária Federal e do Grupo Especial de Combate ao Trabalho Análogo ao de Escravo na Bahia, órgãos que compõem a Comissão para Erradicação do Trabalho Escravo no estado.

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página