Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > São Paulo tem o melhor resultado do país na geração de empregos formais em julho
Banner Ministério da Economia
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

São Paulo tem o melhor resultado do país na geração de empregos formais em julho

Foram abertas mais de 20 mil novas vagas com carteira assinada no estado no último mês

  • Publicado: Sexta, 23 de Agosto de 2019, 17h05
  • Última atualização em Sexta, 23 de Agosto de 2019, 17h05
  • Acessos: 378


O emprego formal teve saldo positivo em julho no estado de São Paulo. De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado nesta sexta-feira (23), foram abertas 20.204 novas vagas com carteira assinada no último mês.

Serviços foram os principais responsáveis pelo desempenho, com a criação de 8.273 postos. Também tiveram desempenho positivo Agropecuária, Comércio, Construção Civil, Indústria de Transformação, Serviço Industrial de Utilidade Pública e Extrativista Mineral (confira tabela).

 

Desempenho Nacional

No Brasil, o emprego formal ficou positivo pelo quarto mês consecutivo em julho. Foram abertas 43.820 vagas de trabalho com carteira assinada, um crescimento de 0,11% em relação ao estoque de junho.

Também houve crescimento se considerados os resultados dos sete primeiros meses deste ano. De janeiro a julho foram abertas 461.411 vagas formais, variação de 1,20% sobre o estoque. Em 2018, no mesmo período, as novas vagas tinham somado 448.263.

Nos últimos 12 meses, o saldo ficou positivo em 521.542 empregos, variação de +1,36%. Assim como no acumulado do ano, os últimos 12 meses tiveram crescimento maior do que no período anterior. Em 2018, o saldo tinha ficado positivo em 286.121 vagas.

“Consideramos que o mercado de trabalho tem apresentado sinais de recuperação gradual, em consonância com o desempenho da economia. O governo vem adotando medidas de impacto estrutural e esperamos reflexos positivos no mercado de trabalho, na medida do aprofundamento das reformas”, analisa o secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo.

 

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página