Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Nove trabalhadores são resgatados em obras habitacionais em São Paulo
Banner Ministério da Economia
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Nove trabalhadores são resgatados em obras habitacionais em São Paulo

Recrutados no Maranhão, trabalhadores estavam alojados em condições precárias e não recebiam salário havia três meses

  • Publicado: Segunda, 09 de Setembro de 2019, 10h02
  • Última atualização em Segunda, 09 de Setembro de 2019, 11h56
  • Acessos: 1067

Um grupo de nove pessoas submetidas à condição análoga à de escravo foi resgatado na terça-feira (3) pelo Grupo de Combate ao Trabalho Escravo da Superintendência Regional do Trabalho de São Paulo (SRT-SP). Contratados para a construção de unidades habitacionais em um projeto da  Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU), eles ficavam alojados na cidade de Jaguariúna e trabalhavam em outras localidades, especialmente Itatiba (SP).

Os auditores-fiscais do Trabalho constataram que os trabalhadores eram empregados da Construtora Viasol, contratada pela CDHU para a execução de diversas obras habitacionais no estado de São Paulo. Na ação fiscal, a CDHU e a Viasol foram responsabilizadas pelas condições a que os trabalhadores foram submetidos.

A maioria dos trabalhadores foi recrutada pela Viasol no Maranhão. A empresa os mantinha alojados em condições precárias de segurança e higiene em uma obra abandonada pertencente à empresa, sem proteção contra intempéries e sem contar com energia elétrica, água potável e alimentação em quantidade suficiente. Além disso, os trabalhadores estavam há três meses sem receber salários e sem possibilidade de retornar às suas cidades de origem.

Com base na auditoria dos contratos firmados entre as empresas, os fiscais atribuíram responsabilidade também à CDHU pela situação de precariedade enfrentada pelos trabalhadores. Houve ainda o descumprimento, por parte da empresa pública, da Convenção OIT nº 94, que trata de contratos realizados por órgãos públicos.

Os auditores-fiscais do Trabalho notificaram ambas as empresas envolvidas a abrigarem imediatamente os trabalhadores em local digno e fornecerem alimentação até seja realizada a regularização dos contratos de trabalho.

Em audiência realizada nesta sexta-feira (6), a CDHU se comprometeu a pagar, até segunda-feira (9), as verbas rescisórias e a disponibilizar passagens, até quinta-feira (12), para que os trabalhadores possam retornar ao Maranhão. A Viasol se comprometeu a garantir a hospedagem e a alimentação nesse período.

registrado em:
Fim do conteúdo da página