Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Sete trabalhadores são resgatados em operação fiscal no MT
Banner Ministério da Economia
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Sete trabalhadores são resgatados em operação fiscal no MT

Eles estavam alojados em condições precárias de segurança e higiene e atuavam sob risco iminente de acidentes

  • Publicado: Quarta, 16 de Outubro de 2019, 11h33
  • Última atualização em Quarta, 16 de Outubro de 2019, 14h51
  • Acessos: 571

Um grupo de sete trabalhadores submetidos a condições análogas às de escravo foi resgatado em operação fiscal no Mato Grosso. Conduzida pelo Grupo Especial de Fiscalização Móvel (GEFM) da Secretaria de Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, a ação teve início em 8 de outubro e prossegue até esta sexta-feira (18) nos municípios de Santa Carmem, Feliz Natal e Nova Guarita.

O resgate ocorreu em Santa Carmem. Com a função de catar raízes em uma área preparada para o plantio de soja, os trabalhadores estavam alojados em um barraco de lona sem instalações sanitárias e áreas apropriadas para o preparo, o consumo e as conservação de alimentos. Não havia fornecimento de água potável. Além disso, os trabalhadores não recebiam equipamentos de proteção individual (EPIs) e inexistiam medidas voltadas à eliminação ou neutralização dos riscos da atividade desenvolvida pelos trabalhadores.

Pagamento

De acordo com o coordenador da operação, o auditor-fiscal do Trabalho André Dourado, o empregador reconheceu os vínculos empregatícios dos trabalhadores afastados pela fiscalização e pagou as verbas rescisórias no valor aproximado de R$ 55 mil.

Termo de Ajuste de Conduta (TAC) firmado com a Defensoria Pública da União (DPU) também estabeleceu o pagamento a cada trabalhador, a título de dano moral individual, o mesmo valor pago como verba rescisória. Outro TAC foi firmado com o Ministério Público do Trabalho estipulando o pagamento de R$ 40 mil por danos morais coletivos

Assistência

O GEFM providenciou a emissão das guias de Seguro-Desemprego Especial para os trabalhadores resgatados, garantindo o direito de recebimento de três parcelas no valor de um salário mínimo cada. A coordenação da operação também providenciou os devidos encaminhamentos aos órgãos assistenciais de acolhimento. As irregularidades trabalhistas encontradas nos estabelecimentos rurais, inclusive em matéria de saúde e segurança, levarão à lavratura de autos de infração.

A operação, planejada pela Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo (Detrae), que coordena o GEFM e faz parte da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho do Ministério da Economia, contou com a participação da DPU, do MPT e da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página